Portaria n.º 328/2021

Published date30 Dezembro 2021
ELIhttps://data.dre.pt/eli/port/328/2021/12/30/p/dre/pt/html
Número da gazeta252
SectionSerie I
IssuerCultura e Ambiente e Ação Climática
N.º 252 30 de dezembro de 2021 Pág. 77
Diário da República, 1.ª série
CULTURA E AMBIENTE E AÇÃO CLIMÁTICA
Portaria n.º 328/2021
de 30 de dezembro
Sumário: Aprova o regulamento para a classificação e avaliação da informação arquivística do
Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I. P.
No âmbito da modernização e simplificação administrativa e da administração eletrónica do
Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I. P., organismo integrado na área governativa
do ambiente e da ação climática, assume particular relevo a elaboração de referenciais conducentes
a uma eficaz gestão da informação, desde o momento da sua produção até ao da sua conservação
permanente ou eliminação definitiva.
A gestão da informação, tanto a nível da adequada organização dos espaços de arquivo, como
da salvaguarda daquela que constitui interesse histórico, assenta na adoção de critérios objetivos
e de uma metodologia relacional estabelecida entre processos de negócio para aplicação na sua
avaliação.
Nesse sentido, cumpre elaborar instrumentos normalizadores que, independentemente dos
suportes e ambientes tecnológicos utilizados, regulem a classificação, avaliação, seleção, substi-
tuição de suporte e o destino final dos documentos.
As portarias de gestão de documentos estabelecem regras e decisões em simultâneo para
a classificação e a avaliação, tendo presente os modelos emergentes de gestão da informação
assente em abordagens por processos de negócio.
A presente portaria tem por finalidade regulamentar a classificação, avaliação, seleção, elimina-
ção e conservação de documentos produzidos, em qualquer suporte, pelo Instituto da Conservação
da Natureza e das Florestas, I. P., organismo integrado na área governativa do ambiente e da ação
climática bem como os procedimentos administrativos que lhes estão associados, agilizando, deste
modo, as funções de arquivo no garante de direitos e de deveres e na preservação do património
arquivístico e da memória coletiva.
Ao abrigo do disposto na alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º do Decreto -Lei n.º 447/88, de 10 de
dezembro, e da alínea a) do n.º 3 do Despacho n.º 12149 -A/2019, de 17 de dezembro, publicado
no Diário da República, 2.ª série, n.º 243, de 18 de dezembro, na sua redação atual, manda o
Governo, pela Ministra da Cultura e pelo Secretário de Estado da Conservação da Natureza, das
Florestas e do Ordenamento do Território, o seguinte:
Artigo 1.º
Aprovação
É aprovado o regulamento para a classificação e avaliação da informação arquivística pro-
duzida no exercício de funções pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I. P., a
respetiva tabela de seleção, bem como os formulários do Auto de Eliminação e do Auto de Entrega,
anexos à presente portaria, da qual fazem parte integrante.
Artigo 2.º
Revogação
É revogada a Portaria n.º 726/2003, de 6 de agosto.
N.º 252 30 de dezembro de 2021 Pág. 78
Diário da República, 1.ª série
Artigo 3.º
Entrada em vigor
O regulamento para a classificação e avaliação da informação arquivística produzida no exer-
cício de funções pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I. P., entra em vigor
no 30.º dia seguinte ao da sua publicação.
Em 27 de dezembro de 2021.
A Ministra da Cultura, Graça Maria da Fonseca Caetano Gonçalves. — O Secretário de Estado
da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território, João Paulo Marçal
Lopes Catarino.
ANEXO
Regulamento para a Classificação e Avaliação da Informação Arquivística
CAPÍTULO I
Objeto, natureza, âmbito, aplicação, garantias e definições
Artigo 1.º
Objeto e natureza do regulamento
1O presente regulamento estabelece as regras aplicáveis à classificação, avaliação, seleção,
eliminação e conservação da informação arquivística, produzida no exercício de funções pelo Instituto
da Conservação da Natureza e das Florestas, I. P., adiante designado por ICNF, I. P., organismo
integrado na área governativa do ambiente e da ação climática, dando origem a documentos e
agregações, materializada em qualquer suporte, adiante abreviadamente designada por informação.
2 — A aplicação do presente regulamento pressupõe a implementação de um modelo de gestão
de informação, predominantemente assente na abordagem funcional por processos de negócio.
Artigo 2.º
Âmbito de aplicação subjetivo
O presente regulamento é aplicável ao ICNF, I. P., organismo integrado na área governativa
do ambiente e da ação climática.
Artigo 3.º
Aplicação no tempo e produção de efeitos
1Sem prejuízo do disposto no ordenamento jurídico sobre a aplicação das leis no tempo,
o presente regulamento:
a) É aplicável à informação produzida em data posterior à sua entrada em vigor;
b) Não produz efeitos sobre a informação produzida e acumulada em momento anterior à sua
entrada em vigor.
2 — Nos casos abrangidos pela alínea b) do número anterior, a avaliação da informação deve
ser realizada em conformidade com as orientações emanadas pelo órgão de coordenação do sis-
tema nacional de arquivos, adiante designado por órgão de coordenação, nos termos do disposto
no n.º 9 do artigo 9.º
N.º 252 30 de dezembro de 2021 Pág. 79
Diário da República, 1.ª série
Artigo 4.º
Garantias do sistema de informação
1O ICNF, I. P., deve estar dotado de sistemas de informação, adiante designados por SI,
que assegurem a autenticidade, fidedignidade, integridade, usabilidade e acessibilidade no longo
prazo à informação.
2 — Os SI devem apresentar características de fidedignidade, segurança, conformidade,
inteligibilidade e sistematização.
3 — Para efeito do disposto no n.º 1, o ICNF, I. P., deve manter um plano de preservação digital
aprovado pelo órgão de coordenação.
Artigo 5.º
Definições
Para efeitos do presente regulamento, entende -se por:
a) «Agregação», a unidade, simples ou composta, criada para efeitos de gestão de documen-
tos aquando da aplicação da tabela de classificação e avaliação, sendo as agregações simples
formadas por um conjunto sequencial de documentos, com uma relação funcional que traduz uma
ocorrência de um determinado processo de negócio, podendo constituir um processo documental,
e as agregações compostas, que incluem as tipologias de ocorrência, um agrupamento das agre-
gações simples;
b) «Amostragem aleatória», o tipo de amostragem em que cada um dos casos do universo -alvo
tem igual probabilidade de ser selecionado para fazer parte da amostra a preservar e que se supõe
ser representativa de todas as características da população, aplicável aos processos de negócio
cujo destino final atribuído é o de conservação parcial por amostragem;
c) «Avaliação», a atribuição de valor à informação, para efeitos de conservação ou de elimi-
nação, fundamentada num conjunto de princípios e critérios;
d) «Avaliação suprainstitucional», a atribuição comum de prazos e destinos finais à informa-
ção resultante dos processos de negócio executados pela Administração Pública, derivando a sua
conservação da natureza da intervenção da entidade pública;
e) «Classificação», o ato de associar um documento ou uma agregação a uma classe de 3.º
ou, quando existente, de 4.º nível da estrutura de classificação fixada na tabela de seleção;
f) «Código», o sistema numérico não sequencial, com base numa estrutura hierárquica de blo-
cos separados por ponto, remetendo sucessivamente para as funções, subfunções, processos de
negócio e subdivisão de processos de negócio fixado na tabela de seleção, sendo a sua atribuição
da responsabilidade do órgão de coordenação, para garantir o princípio da interoperabilidade;
g) «Completude do processo de negócio», o critério de avaliação suprainstitucional aplicado
a processos transversais que implica o reconhecimento das entidades intervenientes no processo
de negócio e da natureza da sua intervenção, cuja utilização pressupõe que o dono do processo
de negócio é a entidade que detém o processo mais completo, integrando ainda, de forma parcelar,
os contributos de todos os participantes, e que:
i) Valoriza a conservação da informação no dono do processo, em detrimento da materialização
parcelar em produtor participante;
ii) Possibilita a eliminação das partes dos processos documentais que se encontram nos SI
das entidades produtoras participantes;
h) «Conservação», o destino final atribuído a processos de negócio para a preservação total
e permanente;
i) «Conservação parcial por amostragem», o destino final atribuído a processos de negócio
para a preservação permanente de uma amostra recolhida segundo critérios aleatórios e mediante
aplicação de uma fórmula;

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO

VLEX uses login cookies to provide you with a better browsing experience. If you click on 'Accept' or continue browsing this site we consider that you accept our cookie policy. ACCEPT